Comissão de Constituição e Justiça analisa nova Lei das Franquias

Após ter sido aprovado na Câmara dos Deputados, foi recebido para a análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania – CCJ, o projeto que regulamenta o sistema de franquia empresarial no Brasil. O relator na CCJ, senador Dário Berger, é favorável à proposta.

O PLC 219/2015 de autoria do deputado Alberto Mourão, revoga a lei vigente sobre contratos de franquia empresarial Lei 8.955/1994, conhecida como a Lei das Franquias, e a substitui por novas regras que buscam atualizar e aperfeiçoar o setor no Brasil.

Entre outros diversos pontos, a proposta de mudança na lei obriga o franqueador a fornecer ao interessado uma Circular de Oferta de Franquia – COF com uma antecedência mínima de dez dias à assinatura do contrato ou do pagamento de taxas pelo franqueado.

Em caso de licitação promovida por entidades públicas, uma outra modificação que será inserida na nova lei, a COF será divulgada no início do processo de seleção.

O texto também dispõe sobre as condições de sublocação do ponto comercial ao franqueado, a possibilidade de anulação do contrato caso as informações da COF sejam falsas, e autoriza as empresas públicas e sociedades de economia mista a adotar o sistema de franquia.

Em seu relatório a favor do projeto, o senador Dário Berger destaca a iniciativa de corrigir a terminologia da lei vigente sobre franquias, afastando a possibilidade de o contrato dessa espécie ser interpretado como relação de consumo ou – no que se refere ao período de avaliação e treinamento – como relação empregatícia.

Também a Circular de Oferta de Franquia, no entendimento do relator do Projeto de Lei Complementar, contribui para que o candidato a franqueado possa decidir de forma mais consciente.

Berger também ressalta que a proposta soluciona a controvérsia sobre o valor de sublocação das instalações comerciais. De acordo com a Lei do Inquilinato, o aluguel da sublocação não pode exceder o da locação, mas o entendimento do Poder Judiciário tem sido favorável aos franqueadores.

“A locação e sublocação de instalações comerciais vem sendo empregada como instrumento para a expansão do sistema de franchising em todo o mundo. Com o aperfeiçoamento do sistema de franquia, a escolha do imóvel para instalação do empreendimento é realizada de modo a atender aos objetivos de ambas as partes, diferentemente de uma locação e sublocação comercial comum”, explica o relator.

Dário Berger ofereceu uma emenda de redação, que não altera o conteúdo do projeto; apenas o torna mais claro. Depois de analisada pela CCJ, a proposta segue para a Comissão de Assuntos Econômicos e para votação final no Plenário do Senado.

Fonte Agência Senado

CCJ analisa novas regras para franquias
Avalie este artigo

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here