O lucro não está na Taxa de Franquia

Uma franquia que deseje expandir seus negócios de forma consistente e promissora, não pode perder o foco dos seus negócios.

Embora o conceito possa parecer simples, a realidade nos mostra que muitas marcas, no ímpeto de crescer, e obviamente lucrar, acabam perdendo esse foco, principalmente quando o assunto é a seleção de novos franqueados.

Esse é um erro muito comum, principalmente entre as franquias recém criadas, que na pressa de recompor o caixa após os investimentos necessários para o processo de formatação da franquia, focam muito mais no valor a ser recebido pela transferência de know how, a taxa de franquia, do que na qualidade dos franqueados.

Esse erro é fatal, pois em primeiro lugar, não vai resolver tão facilmente o equilíbrio financeiro da franqueadora, e pior ainda, estará criando uma rede de franquias não tão sólida quanto poderia.

O lucro do franqueador está no fluxo de caixa

É importante que a empresa franqueadora perceba desde sempre, que o lucro de uma rede de franquias não está na Taxa de Franquia que é recebida na contratação de uma nova unidade.

Esse valor, pelo menos teoricamente, seria um montante para a cobertura de despesas para a captação de novos franqueados, treinamentos, projeto arquitetônico, consultorias e outras atribuições do franqueado na hora de ceder a marca a uma nova unidade.

O verdadeiro lucro de uma franquia, com a abertura de novas unidades da rede, está na geração de um fluxo de caixa contínuo, através do recebimento da Taxa de Royalties, pagos de acordo com o que ficar estabelecido na Circular de Oferta de Franquia e no Contrato de Franquia.

Qualquer marca que fuja deste caminho, estará certamente se metendo em um terreno pra lá de pantanoso, e fazendo com que toda a operação seja colocada em perigo.

Royalties e franqueados

Voltando a discussão sobre a influência da qualidade dos franqueados no desempenho financeiro de uma rede de franquias, vejamos o que ocorre quando se relaxa no processo de seleção de franqueados.

Os franqueados são verdadeiros sócios de uma franquia, já que contribuem para a seu sucesso de diversas maneiras. Seja ampliando a visibilidade da marca, ou funcionando para aumentar a rede de distribuição de produtos e serviços, os franqueados são, inclusive legalmente, legítimos representantes da marca.

Mais ainda. Os franqueados, são representantes imediatos da marca perante ao público, levando e trabalhando a imagem da marca através de suas atividades como franqueadores.

Do ponto de vista do negócio em si, os franqueados também são responsáveis pela a geração de caixa do negócio da franqueada, através do pagamento da Taxa de Royalties. Se os franqueados não vão bem, o fluxo de caixa também não irá bem.

A importância do processo de seleção

Levando-se em consideração o que foi apresentado, voltamos à questão da importância do processo de seleção de franqueados. Se não houver um sério comprometimento da marca, em priorizar a qualidade ao invés da quantidade, a franquia pode entrar em um caminho perigoso.

Existem atualmente uma grande procura por parte de empreendedores, por oportunidades no setor de franquias. Os números do franchising brasileiro confirmam esse crescimento ano a ano.

O problema é que nem todos estes candidatos a franqueados, são necessariamente bons parceiros para o negócio. Sabemos muito bem que existe um perfil ideal do empreendedor em franquias, e se o candidato não preenche seus requisitos básicos, dificilmente terá sucesso.

Por mais que se submeta alguns empreendedores aos treinamentos oferecidos pela franqueada, o fato é que alguns não conseguem assimilar nem o conceito do modelo de negócio e nem a cultura da empresa que é repassada nestes treinamentos.

Fora isso, existem também algumas questões pessoais, como formação acadêmica e experiência profissional, que acabam se refletindo no resultado do negócio. Não é apenas uma questão de se ter dinheiro para cobrir todos os custos iniciais de uma franquia. Trata-se de ter ou não o talento necessário para tocar o negócio.

Por isso, é recomendável que a franquia que está em processo de expansão, tenha a máxima atenção em relação aos critérios e rotinas que irá adotar na hora de se escolher um franqueado. Se o critério for estritamente a capacidade econômica, corre-se o risco de criar uma rede de franqueados de baixo desempenho.

Parte do fracasso de algumas redes que surgiram recentemente e que se revelaram um grande fiasco, se deve em grande parte a esse erro, o de visar o dinheiro da Taxa de Franquia para repor o mais rapidamente o investimento feito na formatação do negócio.

Para ter sucesso, o franqueador precisa ter consciência de que o lucro de uma rede não está no recebimento do valor referente à taxa de Franquia, mas sim na estruturação de um negócio em bases sólidas e sustentáveis. Mantenha-se atualizado assinando a nossa Newsletter.

O lucro não está na Taxa de Franquia
Classificação 5 (100%) 1 voto